O dia mais longo

O despertador tocou à hora marcada mas, em vez de despertar, deu aval para despedir o lençol branco bordado e o cobertor castanho terra. Estava acordada fazia tempo, não sabia bem quanto tempo, tinha-se proibido de olhar para a luz cega do ecrã, e em vez de minutos contava respirações,…

Um Anjo à minha mesa

Nunca percebi porque é que aqui faz sempre vento, é como se no topo das cinco ruas que desembocam neste largo de calçada branco sujo, existisse uma janela aberta e de lá viessem ventos de norte, que competem em intensidade e bravura. Deve ser por isso que as casas aqui…

Online (EP.18)

Perdi-me nas horas, perdi-me nos scrolls, perdi-me no feed, perdi-me na tua vida e perdi a minha por uns segundos, minutos, horas. Não tenho tempo, não tenho 5 minutos para olhar para dentro, não tenho tempo para ler, para fazer umas corridas, não tenho tempo para nada, mas vi-te ali…

Relações Tóxicas (EP.17)

Ganhei vida com o seu olhar, era um castanho doce e avelã que me adocicava o cérebro e quebrava barreiras. Pegava ao colo todas as minhas inseguranças e embalava histórias e lágrimas com palavras de solidez. Era amor feito casa com mestria em receber. E no chão cresceram blocos para…

Aniversário (EP.16)

Eu tinha acordado com uma energia saltitante, era o meu dia de aniversário e isso fazia os meus olhos brilharem e abrilhantarem bancos de jardim, transeuntes, flores, pedras e prédios. Sou uma pessoa de pessoas e, como tal, fui para a esplanada do meu café e convidei quem se quisesse…

Autocuidado (EP.15)

Somos humanos, somos histórias, somos momentos, somos tempo! Muitas vezes achamos que somos doutores, secretárias ou pessoas a dias, achamos que somos pais, amigos confidentes, que somos chão, que somos contas bancárias, opiniões alheias. Esquecemo-nos que a parte não finda o todo. E o que é isto do todo? O…

Superstições (EP.13)

Ontem o Iscas saltou do topo do armário, mesmo por cima da minha cabeça e, iludido pelo reflexo, esbarrou no espelho. Ficou em cacos, o espelho, não o gato! Lancei as mãos à cabeça e logo de seguida ao peito, já não bastava viver com um gato preto, agora partiu-me…

Medos (EP.12)

Era impossível ficar sentado e eu bem que tentava, tentava respirar devagar, olhar para o lado, ver a cara das pessoas tranquilas nas suas conversas, pressionava a mesa de plástico, mas as mãos escorregavam, toda eu era invadida pela estimulação glandular que faziam da minha pele cachoeira, até que involuntariamente…

Civismo (EP.11)

São só 5 minutos!É só um papel!Não vem ninguém!Ninguém viu!Há coisas bem piores no mundo! De desculpa em desculpa, não se faz mais uma manobra, não se dão mais dois passos, não se esperam mais três minutos.Até que vem alguém, alguém que não passa, alguém que também tem horas para…